Nosso Blog

Meu concorrente vende mais barato. E agora?

No comments

Meu concorrente vende mais barato. E agora? Você já passou por esta situação antes? Se tem uma empresa, provavelmente sim. Temos algumas estratégias que podem te ajudar. Confira!

Ah, os concorrentes! Você pode escolher qualquer coisa para fazer nesta vida mas uma coisa importante você tem que saber: SEMPRE EXISTIRÃO CONCORRENTES!

Eles podem ser concorrentes diretos ou indiretos mas no mundo de hoje qualquer atividade que você se propuser a fazer, terá que aprender a lidar com a concorrência.

A grande queixa que eu ouço nos cursos e consultorias é: MEU CONCORRENTE COBRA MAIS BARATO.

Sim, eu já sei disso. Também já passei pela mesma situação e como não podemos ir lá e esganar o pescoço da pessoa, temos que criar estratégias eficientes para neutralizar a concorrência.

Separei aqui algumas estratégias que eu já adotei nos meus 14 anos de jornada empreendedora que podem te ajudar.

1. Tenha certeza que realmente quem você acha que é concorrente é concorrente mesmo

Como assim? No Plano 10, temos um capítulo dedicado a concorrentes e por causa disso descobri que muitas pessoas tem dificuldades grande em saber quem são seus concorrentes.

De uma maneira bem simplificada, concorrente é aquele que concorre em igualdade de condições com você, isto é, se você vende “laranjas”, seu concorrente é quem vende “laranjas, não adianta se comparar a quem vende “limões”.

Não é porque você é decoradora de festas que todas as decoradoras de festas são suas concorrentes. Veja quem oferece produtos e serviços que mais se assemelham aos seus no maior número de aspectos. Somente assim você vai encontrar, de fato, quem é seu concorrente. Caso contrário, você pode estar sofrendo sem necessidade.

2. Analise as estratégias do concorrente

Sabendo quem é seu concorrente, veja aonde ele está e como atua. Ele faz anúncios, tem site, está nas redes sociais, para quem ele vende? Analisando estes pontos, fica mais fácil você descobrir o motivo dos preços mais baixos.

Mas o mais importante é: saiba se realmente ele está vendendo!!!! Com as redes sociais aí, a quantidade de coisas fakes que estão aparecendo é impressionante! E eu dou risada! Sabia que tem muita gente que você acha que está com tudo, mas não está com nada? Por isso, CUIDADO! Analise se este seu concorrente realmente quer ter uma empresa ou se está “brincando de trabalhar” e ao menor sinal de dificuldade ele vai deixar pra lá e fazer outra coisa.

Se este é o caso do seu concorrente, não se desespere! Ele vai sair do mercado mais cedo ou mais tarde. Por que trabalhar dá um trabalho danado e nem todo mundo está disposto a isso. Por isso, paciência e foco na sua empresa.

3.Trabalhe com produtos de qualidade

Pode parecer óbvio o que eu estou falando, mas quantos brigadeiros ruins você já comeu em festas de aniversário? Quantas vezes já recebeu uma lembrancinha mal feita? Pois bem, apesar de óbvio, tem gente que prefere trabalhar com produtos de má qualidade ao invés de oferecer um produto bacana, com qualidade.

Mas de nada adianta trabalhar com produtos de qualidade se você não botar a boca no trombone para dizer isso! Mostre ao seu cliente toda a qualidade que oferece e os benefícios que isso pode gerar tanto para ele quanto para quem ele vai oferecer, seja uma festa, um mimo, uma lembrança, um presente. Quando você demostra mais qualidade do que o seu concorrente, você, de certa forma, está justificando a diferença de preço e o cliente pode levar isso em consideração na hora de fechar com você.

4. Entenda seus custos

Quanto sua empresa custa por mês? Você sabe? É fundamental saber, ainda mais com a concorrência cobrando preços mais baixos.

Será que você poderia reduzir custos para se tornar mais competitivo? Provavelmente sim! Dentro de uma empresa, por menor que ela seja, sempre tem os ralos que levam dinheiro embora e atrapalham seu crescimento.

Colocar na ponta do lápis tudo o que sua empresa precisa para estar de pé pode ser um fator fundamental para a sua competitividade frente aos concorrentes. Será que o que você gasta de custo fixo, por exemplo, é condizente com o seu negócio? Já vi empresas pagarem fortunas de aluguel só para terem um espaço bonito, mas que não recebiam clientes e o espaço ficava ocioso, ou seja, custo elevado para pouco retorno.

Por isso, faça já uma planilha de custos e veja se tem dinheiro saindo pelo ralo aí na sua empresa.

5. Saiba formar seus preços

Você já deve ter ouvido a seguinte história: Para você formar seu preço, você deve definir quanto você quer ganhar por mês e dividir pelo número de trabalhos que você quer realizar para saber quanto cobrar.

Resumindo seria o seguinte: vamos supor que você “queira ganhar” R$ 4.000,00 e queira fazer 4 festas por mês, ou uma por semana. Aí você pegaria os R$ 4.000,00 e dividiria pelo número de festas, 4, e chegaria no valor de R$ 1.000,00, que seria cobrado em cada festa, certo? Certo!

Aí vem a pergunta: e se você fizer 2 festas por mês? E se você fizer 10 festas por mês? Percebe como você entra em uma furada e acaba tendo um preço por festa “errado”?

Saber formar preços deveria ser a primeira coisa que alguém que quer ter seu próprio deveria aprender. É matéria obrigatória, com risco de reprovação e expulsão no mundo dos negócios.

Por isso, estude hoje e sempre!

Para ajudar você a acertar no seu preço, criamos o PrecifiQ, um sistema que vai aumentar sua competitividade frente a concorrência e mudar sua maneira de formar preços.

Se você quer receber as novidades sobre este lançamento e participar da nossa aula gratuita sobre Precificação, deixe seu e-mail abaixo para não perder esta grande oportunidade

😉
Tati Ulhôa

Compartilhe esta Dica! :)
tatiulhoaMeu concorrente vende mais barato. E agora?

Deixe uma resposta